Ambev usa caminhões elétrios
Ambev compra caminhões elétricos da FNM, divulgação.

A produção brasileira de veículos se encontra em constantes mudanças. O novo capítulo dessa realidade industrial diz respeito à compra da Ambev de mil caminhões elétricos para sua frota. Além disso, também é novidade o retorno da fabricante, a FNM, antiga conhecida do mercado nacional.

A Fábrica Nacional de Motores (agora, “mobilidades”) foi responsável pela produção dos caminhões da Alfa Romeo, entregando para o mercado da época o que era comum, muito barulho e fumaça. Mas os tempos são outros e o mercado de automóveis, não somente no Brasil, mas em todo mundo, trilha novos caminhos.

Com o intuito de acompanhar as mudanças do comércio, a FNM está moderna e segue o rumo da eletrificação, entregando caminhões verdes, isto é, movidos a motores elétricos. Mas, apesar da evolução quanto a motorização de suas unidades, não desdenha do prato que comeu.

CONFIRA TAMBÉM:

Mercedes-Benz EQA é crossover elétrico e pode chegar ao mercado brasileiro

Carro elétrico barato de R$ 64.000 apresenta falhas de segurança em teste de batida

Novo Renault 5 retorna como carro elétrico compacto

Caminhão elétrico da FNM
Caminhão elétrico da Ambev, divulgação.

A FNM escolheu, para os caminhões elétricos da Ambev, um visual que faz memória às antigas unidades, sem desrespeitar o passado, tampouco fechar os olhos para o futuro. Segundo a Reuters, a venda das mil unidades dos caminhões elétricos para a Ambev, provém de uma aliança entre a FMN e a Agrale.

O motor elétrico desses caminhões elétricos contou com produção da Danfoss Editron, enquanto que as baterias foram fabricadas pela Octillion e o baú, pela Random.

Em busca de cumprir a sua meta de, até o 2023, ter sua frota completamente elétrica, a Ambev realiza o seu segundo investimento pesado nesse sentido. E bota pesado nisso, já que os caminhões da FNM são mais pesados que os da Volkswagen, fabricante qual a indústria de bebidas comprou 1,6 mil caminhões elétricos leves.

Com essa nova aquisição, a Ambev deixará de emitir 126.000 toneladas de dióxido de carbono (CO2). Para Rodrigo Figueiredo, que é vice-presidente de sustentabilidade da indústria, essa parceria teve como produto um caminhão elétrico que também estará a serviço de outras empresas.

 

Jornalista de formação, trabalho em grandes jornais do ramo automotivo. Gosta de games e séries.